A FÁBULA DA BORBOLETA

A FÁBULA DA BORBOLETA

 

Conta-se que certo dia, um homem deparou com um casulo pendurado numa árvore de seu quintal, e o esforço que uma borboleta fazia para sair do casulo chamou a sua a tenção. Mas, de repente, houve um silêncio, como se a borboleta tivesse perdidos as forças… E como o moço era uma pessoa bondosa, resolveu logo dar uma ajudinha à borboleta. Pegou uma tesoura e abriu um espaço para facilitar o seu voo, e embora ela conseguisse sair rapidamente do casulo, para a surpresa do moço, ela continuou no mesmo lugar, as asas presas ao corpo, sem forças para voar e encantar a vida cumprindo sua missão.

Aquele moço não compreendia o processo de formação da borboleta, as etapas necessárias para que as asas se fortalecessem ao ponto de poder sustentar seu corpo para poder voar. O esforço para sair do casulo era justamente o processo da saída do fluido do corpo para as asas… Na vida, muitas vezes queremos ajudar demais a uma pessoa e interferimos no processo de sua maturidade para cumprir o propósito. Certa vez li algo do tipo: Quando você ajuda um pouco, contribui, as quando ajuda muito, atrapalha.

Muitas vezes queremos ajudar às pessoas poupando-lhes sacrifícios que são necessários para adquirir capacitação para níveis mais altos, e em vez de ajuda-las aniquilamos o potencial.

O casulo estava no processo de sua função, mas a interferência externa veio e interrompeu o processo. Todas as vezes que há uma interferência no processo de evolução da nossa vida, torna-se necessário avaliar quem, ou quais, pessoas ou fatores representam ameaças para nossos voos. Muitas vezes as pessoas são cheias de boas intenções, mas nem sempre a boa intenção é positiva.

Quer domínio próprio? Se prepare para conviver com pessoas difíceis e situações estressantes.

Quer vencer o medo? Se prepare para enfrentar obstáculos, e não fuja dos desafios.

Precisa que uma porta se abra? Fique atento às oportunidades.

 

 

 

Talvez você curta